Skip to content


O que é a Avaliação Psicológica

Muito se fala sobre a avaliação psicológica, mas o que vem a ser a avaliação ? Por que ela é importante ? A avaliação comportamental é o primeiro passo para a psicoterapia. É através dela que podemos definir o começo do planejamento de tratamento e começar a pensar em hipoteses diagnosticas. Desde o primeiro momento que o cliente entra em contato com o terapeuta , já esta falando sobre si mesmo e portanto é passivel de observação direta do terapeuta para colher informações.

Em uma definição mais ampla a analise comportamental consiste em estabelecer as relações entre as variaveis que mantem um comportamento alvo. A avaliação é base para a analise funcional e posterior aplicação de técnicas ( quando necessárias). Começa desde a primeira entrevista e é um continuo dentro da terapia comportamental. O metodo investigativo é feito atraves de entrevistas com o proprio cliente ou com terceiros como pais, irmaõs ou responsaveis, perguntas abertas, fechadas ou semi abertas. Alem disso pode se utilizar testes psicologicos e escalas padronizadas de medição e enquadramento de sintomas como o DSM ou CID.

A avaliação comportamental é importantissima dentro do contexto terapeutico pois é atravéz dela que podemos definir as ferramentas que o cliente possui para lidar com os problemas que o aflingem e em que ponto as contingencias estão sendo prejudiciais. É preciso muito tato e muito cuidado com o diagnostico psiquiatrico, muitas vezes exigido, principalmente pelos convenios medicos pois a função do diagnostico nao é estigmatizar o cliente e sim dar parametros aos profissionais que entendam e possam com isso lidar com os comportamentos alvo. Ressalto ainda que é a partir das hipoteses diagnósticas que o terapêuta baseia seu raciocinio clinico e testa através das suas perguntas e intervenções a validade dessas mesmas hipóteses.

Enfim, a avaliação psicológica é o marco para onde começa a psicoterapia e é o inicio do conhecimento do cliente buscando informações na sua historia de vida, contingências atuais que sustentam suas respostas e tudo aquilo que é definido pelo cliente como comportamentos problema.

Por : Marcelo C. Souza

Se você gostou deste texto, talvez se interesse por esses:

  1. Terapia Comportamental – Análise Funcional – avaliação Pode-se dizer que a análise funcional é o centro da terapia comportamental. Está em todos os passos da terapia: envolve o “diagnóstico” do problema do cliente, o planejamento das intervenções terapêuticas, a sua execução e a avaliação dos resultados obtidos. Além disso, o conceito de análise funcional está ligado à noção de psicopatologia para a [...]...
  2. Reforçamento Positivo na Análise do Comportamento – Definição e aplicações clínicas Dentro da Análise do Comportamento, os procedimentos de reforçamento são muito utilizados. Mas será que esses procedimentos podem ser usados em qualquer situação ? O presente texto pretende discutir alguns aspectos do reforçamento positivo enquanto técnica comportamental e suas aplicações na clinica....
  3. Psicologia e Qualidade de Vida. Por quê as pessoas fazem Psicoterapia e por quê esta tão relacionada com a qualidade de vida. O mundo nos desafia a cada dia e quando o peso dos problemas fica mais pesado do que podemos suportar, é a hora de pensar se um Psicólogo não deve ser consultado. Esse artigo é uma pequena introdução de como o terapeuta analista do comportamento trabalha e por que ele é importante....
  4. Terapia Comportamental – Breve Introdução Alunos meus e leitores do blog parecem dividir um mesmo interesse: Terapia Comportamental. Devido a isso, decidi escrever uma série de textos sobre o tema. Eis como será estruturada a série: Terapia Comportamental – Breve Introdução Terapia Comportamental – Princípios Fundamentais Terapia Comportamental – Análise Funcional – avaliação Terapia Comportamental – Análise Funcional – intervenção Terapia Comportamental – Relação Terapêutica Uma [...]...
  5. Vacina psicológica O princípio das vacinas é muito interessante. Injeta-se no paciente agentes patogênicos ou toxinas, previamente enfraquecidos, causadores da doença que se quer prevenir; esses agentes enfraquecidos são, então, facilmente combatidos pelo sistema imunológico do indivíduo, que passa a produzir anticorpos que o protegem da doença real. Em outras palavras,  ficar doente em nível reduzido prepara [...]...

Posted in Beh. Radical, Ciência, Educativos, Epistemologia, Psicoterapia. Tagged with , , , , , .

4 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Salvatti said

    Padronização e média não servem ao diagnóstico Analítico-Comportamental. Escalas são aspectos da Cognitivo-Comportamental. A linguagem psicodiagnóstica pode servir apenas para notificar uma equipe multidisciplinar. Porém, os termos não precisam sair da aplicação de um teste que prevê índice e classificação, como o Inventário de Depressão de Beck. Vale a observação.

    O uso de recursos lúdicos, desenho em folha com história, ou levantamento de resposta através de questionário para posterior verificação da efetividade da intervenção são estratégias válidas quando tem como medida o próprio sujeito. Estes, não são testes padronizados.

    “Uma ciência do comportamento que diga respeito ao comportamento de grupos não servirá, provavelmente, de ajuda na compreensão do caso particular.” Skinner, CCH, pág 21.

    E a literatura AC/BR está cheia de exemplos e avisos.

    “A variabilidade manifesta-se inter e intra-sujeitos (Micheletto, 1995) e são seus produtos idiossincráticos os comportamentos em geral, condições orgânicas e processos comportamentais privados (Skinner, 1989). Como decorrência, a análise funcional e/ou a intervenção por ela orientada são idiográficas *…” Sinome Nemo, sobre analise funcional e terapia analítico-comportamental.

    * diz-se de método de conhecimento científico ou de disciplina que trata de fatos considerados individualmente.

    Abraços e parabéns pelo novo site.

  2. THAIS MAIA said

    “A variabilidade manifesta-se inter e intra-sujeitos (Micheletto, 1995) e são seus produtos idiossincráticos os comportamentos em geral, condições orgânicas e processos comportamentais privados (Skinner, 1989). Como decorrência, a análise funcional e/ou a intervenção por ela orientada são idiográficas *…” Sinome Nemo

    Ok! Mas penso que mesmo nas idiossincrasias, há algo de geral! E saber esse “algo de geral”, pode ajudar numa avaliação psicológica e posterior intervenção.

  3. Gislaine Sella said

    nao sei oque esta acontecendo comigo tenho muita raivas das pessoas tudo me irrita parece que estou com odio do mundo queria saber se este e um problema psicologico

  4. Marcelo said

    Ola Gislaine

    Acredito que é muito dificil poder falar se é ou não um problema psicológico assim pela net. Não se tem informações suficientes para afirmar nada. E seria até irresponsabilidade minha ou de qualquer outro psicólogo dar alguma opinião assim.

    Recomendo fortemente que procure um profissional qualificado para uma avaliação e que vocês possam conversar sobre tudo aquilo que esta lhe incomodando no momento.

    abraços

Some HTML is OK

(required)

(required, but never shared)

or, reply to this post via trackback.

Powered by WP Hashcash


Theme Tweaker by Unreal